Nossos artigos

Arquivo

Tags

No tags yet.

O Dia Internacional do Trabalhador

Neste mês, comemorou-se o dia 1º de Maio, Dia Internacional do Trabalhador, dia de diversas manifestações, passeatas, protestos e reivindicações, e também dia de celebrar as conquistas alcançadas na luta por melhores condições de trabalho.

Para ilustrar essa data, compartilhamos “Construção”, de Chico Buarque, uma das canções emblemáticas sobre o trabalhador, pois retrata o cotidiano de um trabalhador na construção civil e suas condições de trabalho.

Logo depois da música citamos alguns direitos e deveres do trabalhador previstos em nossa Constituição Federal.

CONSTRUÇÃO

(Chico Buarque)

com JOSÉ MIGUEL WISNIK e LUIZ TATIT

Amou daquela vez como se fosse a última

Beijou sua mulher como se fosse a última

E cada filho seu como se fosse o único

E atravessou a rua com seu passo tímido

Subiu a construção como se fosse máquina

Ergueu no patamar quatro paredes sólidas

Tijolo com tijolo num desenho mágico

Seus olhos embotados de cimento e lágrima

Sentou pra descansar como se fosse sábado

Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe

Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago

Dançou e gargalhou como se ouvisse música

E tropeçou no céu como se fosse um bêbado

E flutuou no ar como se fosse um pássaro

E se acabou no chão feito um pacote flácido

Agonizou no meio do passeio público

Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Amou daquela vez como se fosse o último

Beijou sua mulher como se fosse a única

E cada filho seu como se fosse o pródigo

E atravessou a rua com seu passo bêbado

Subiu a construção como se fosse sólido

Ergueu no patamar quatro paredes mágicas

Tijolo com tijolo num desenho lógico

Seus olhos embotados de cimento e tráfego

Sentou pra descansar como se fosse um príncipe

Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo

Bebeu e soluçou como se fosse máquina

Dançou e gargalhou como se fosse o próximo

E tropeçou no céu como se ouvisse música

E flutuou no ar como se fosse sábado

E se acabou no chão feito um pacote tímido

Agonizou no meio do passeio náufrago

Morreu na contramão atrapalhando o público

Amou daquela vez como se fosse máquina

Beijou sua mulher como se fosse lógico

Ergueu no patamar quatro paredes flácidas

Sentou pra descansar como se fosse um pássaro

E flutuou no ar como se fosse um príncipe

E se acabou no chão feito um pacote bêbado

Morreu na contra-mão atrapalhando o sábado

Do CD "Songbook Chico Buarque - Vol. 07"

Músicos:

Alê Siqueira: Cavaquinho e Violão

Gilberto Assis: Violão

José Miguel Wisnik: Teclados

Marcos Suzano: Percussão

Mário Manga: Violoncelo

Ouvir "Construção" no Youtube:

http://youtu.be/H3YF8T8oo7A

Repararam nos direitos e deveres que estão previstos nessa música? O trabalho é um direito previsto no art.7º da Constituição Federal.

Nos incisos deste artigo estão a previsão da duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a redução da jornada de trabalho, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho (inciso XIII) e o repouso semanal (inciso XV).

Na música, o personagem se despede de sua família e vai trabalhar para cumprir sua jornada de trabalho. Menciona-se que por um momento descansa como se fosse sábado, afinal, todo trabalhador tem direito ao repouso semanal.

Apesar da música falar sobre uma construção, o trabalhador ao final da música é desconstruído: ele tropeça e cai, do alto da construção. Aqui lembramos do inciso XXII do artigo 7º da Constituição Federal, que refere-se à redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança.

Que as condições de trabalho sejam respeitadas, que os direitos dos trabalhadores sejam garantidos! Cidadania por direito!